Newsletters

Email:

Categoria:

Assinar Remover

Notícias
PDF
Imprimir
E-mail

29/10/2014
Crise levou 2,6 milhões de crianças à pobreza nos países desenvolvidos

A crise econômica levou 2,6 milhões de crianças à situação de pobreza nos 41 países mais ricos do mundo desde 2008, elevando para 76,5 milhões os afetados pelo problema no mundo desenvolvido, segundo relatório publicado pelo Unicef nesta terça-feira.
 
O estudo chamado "As crianças da recessão", apresentado hoje em Roma, analisou as alterações nos índices de pobreza infantil entre os anos de 2008 e 2012.
 
Islândia, Grécia, Letônia, Croácia, Irlanda, Espanha, Itália, França estão entre os países onde foram registrados crescimento no número de crianças em situação de pobreza, conforme o levantamento.
 
Além de mudanças na dieta, interrupção de atividades extraescolares e as dificuldades para adquirir material escolar. Filhos de pais desempregados ou com baixa renda podem render menos no colégio, sofrer de estresse e passar por humilhações frente a amigos e companheiros de classe.
 
As crianças são as mais vulneráveis porque, segundo o estudo, a pobreza é um ciclo que se retroalimenta e, quanto mais tempo ela permanecer nesta situação, menos chances terá de escapar.
 
Os países onde o crescimento da pobreza infantil foram maiores são a Grécia, Letônia, Croácia e Irlanda, todos com aumento superior a 10%. Na Islândia, o índice subiu 20,4%. Completam a lista Lituânia, Espanha, Luxemburgo, Itália, Estônia, México, França e Hungria.
 
No polo oposto, onde as taxas de crianças em situação de pobreza diminuíram, estão 18 países, liderados por Chile, Polônia e Austrália.
 
"Eles acharam um modo de aguentar as piores consequências da recessão e reduziram seus números de pobreza infantil em aproximadamente 30%", indica o relatório.
 
No entanto, apesar de o levantamento se concentrar na variação, em termos relativos a Grécia foi o país com maior taxa de pobreza infantil em 2012, com 40,5%, seguido da Letônia (38,2%), Espanha (36,3%), Israel (35,6%) e México (34,3%).
 
Os países nórdicos são os que menos apresentam o problema dentro do mundo desenvolvido, liderados pela Noruega (5,3%), Finlândia (8,8%) e Dinamarca (10,2%).
 
O Unicef também alerta para a situação dos "nem-nem" - jovens entre 15 e 24 anos que nem estudam nem trabalham - e adverte que "a crise está a ponto de colocar uma geração de adolescentes formados e capazes em um limbo de expectativas e vulnerabilidade que durará anos".
 
A recessão, sustenta a Unicef, atingiu com extrema dureza esse grupo e cresceu de forma espetacular na maioria dos países da União Europeia. Em 2013, eram 7,5 milhões de jovens, quase o equivalente à população da Suíça, entre os "nem-nem", 1 milhão a mais do que cinco anos atrás.
 
Em geral, os jovens sofreram mais nos países cuja a produção econômica registrou maior desaceleração.
 
Em termos absolutos, os "nem-nem" cresceram mais no Chipre, Croácia, Grécia, Itália e Romênia, com uma variação relativa em torno de 30%. Entre os países não pertencentes à União Europeia, o maior aumento foi nos Estados Unidos, seguido da Austrália. Fonte: UOL






Mais Informações

2ª via da carteirinha

Solicitação de 2ª via da carteirinha de sindicalizado. É necessário levar 1 foto 3x4 recente na sede do Sindicato.

Formulário de Solicitação clique aqui!

Horário de Atendimento

Segunda a sexta-feira, das 9h às12h e das 14h às 18h.

Informações via email clique aqui!

Atualização de Dados

Para que você possa estar sempre informado e receber nossas notícias é necessário atualizar online os seus dados cadastrais sempre que houver alguma mudança.

Clique aqui para atualizar seus Dados!

Número de Visitantes

Prezado visitantes agradecemos seu acesso em nossa página! Seja bem-vindo(a) sempre que necessário.



Usuários online 848161 Total de Visitas